Leica TCS SP8 MP Microscópios confocais Produtos Página inicial Leica Microsystems

Vá mais fundo

Microscópio multifóton Leica TCS SP8 MP

Produto arquivado
Substituído por SP8 DIVE

Corte do cérebro de camundongo YFP, série z 720 µm

Codificação de cores em profundidade.

Cortesia do Dr. Mark Lessard, The Jackson Laboratory, Bar Harbor, Maine, EUA.

Desenvolvimento de peixe-zebra por 17 horas

Expressão de GFP do citoplasma no notocórdio e na placa pré-cordal, 980 nm. Núcleos corados por injeção de RNA H2B-mCherry, 1.030 nm.

Cortesia do BioEmergences USR3695 (IBiSA FBI), Gif sur Yvettes, França.

Camundongo Thy1-EYFP in vivo, série z

Camundongo adulto da linhagem Thy1-EYFP H, in vivo (janela craniana), série z de 800 µm.

Cortesia do Dr. Masahiro Fukuda, Departamento de Terapia Molecular, Instituto Nacional de Neurociência, Centro Nacional de Neurologia e Psiquiatria, Kodaira, Tóquio, Japão.

Desenvolvimento de superfície do peixe Astyanax mexicanus durante 30 h

Injeção de RNA para coloração por GFP fanelisado (membranas, 980 nm) e H2B-mCherry (núcleos, 1.030 nm).

Cortesia do BioEmergences USR3695 (IBiSA FBI), Dr. Sylvie Rétaux, Dr. Hélène Hinaux and Dr. Gaëlle Recher, CNRS, Gif sur Yvette, França.

Imagens ao vivo de micróglias em um camundongo vivo e desperto

Movimento de micróglias em um camundongo vivo desperto, animação em 4D de 217 fatias e 180 segundos.

Cortesia do Dr. Masahiro Fukuda, Departamento de Terapia Molecular, Instituto Nacional de Neurociência, Centro Nacional de Neurologia e Psiquiatria, Kodaira, Tóquio, Japão.

Rotação ao vivo simultânea e excitação IR

Secção de tecido de camundongo expressando dTomato (OPO).

Cortesia do Dr. Mark Lessard, The Jackson Laboratory, Bar Harbor, Maine, EUA.

Desenvolvimento de tunicado (Phallusia mammillata) durante 6,5 h

Coloração dos núcleos por injeção de RNA (H2B-eGFP, 980 nm); membrana por banhos em FM4-64 (1.030 nm).

Cortesia do BioEmergences USR3695 (IBiSA FBI), Gif sur Yvettes, França.

Movimento de cálcio em camundongo GCaMP3 após lesão de podócito

Movimento de cálcio após lesão de podócito (inferior direito) em um glomérulo de camundongo GCaMP3. Marcação da vasculatura por Texas Red.

Cortesia do Dr. Matthias Hackl, Clínica Universitária de Cologne, Alemanha.

Imagem multicolorida de um embrião de peixe-zebra

Primórdio da linha lateral marcado com GFP (Verde), neurônios com DsRed (vermelho), núcleo com BFP (azul). Sinal de SHG dos músculos (cinza).

Cortesia do Dr. Darren Gilmour, EMBL Heidelberg, Alemanha.

Sinal de SHG e um marcador neuronal parassimpático em pâncreas após limpeza óptica

Neurônios positivos de Tirosina-hidroxilase (vermelho), SHG a 1.080 nm (verde), Dapi (azul).

Cortesia do Dr. Rafael Drigo, Laboratório Per-Olof Berggren, Escola de Medicina Lee Kong Chian (LKCSoM), Cingapura.

Desenvolvimento de embrião de peixe-zebra durante 21 h

Série temporal em 4D, séries de 420, sobreposição de 3 canais: Injeção de RNA H2B (azul), mCherry (vermelho), EGFPras (verde).

Cortesia do BioEmergences USR3695 (IBiSA FBI), Gif sur Yvettes, França.

Injeção de RNA em peixe-zebra (gastrulação) para coloração citoplasmática com proteína fluorescente Neptune.

THG (em azul); 20x1NA; InSight a 1.140 nm.

Cortesia do BioEmergences USR3695 (IBiSA FBI), Gif sur Yvettes, França.

Linfonodo de camundongo com macrófagos marcados com GFP

Sinal de SHG do colágeno (cinza).

Cérebro de camundongo Thy1-YFP tratado com CLARITY

Animação gerada com o LAS X 3D Visualization.

Cortesia do Prof. Karl Deisseroth e Dr. Raju Tomer, Stanford University, Palo Alto, CA, EUA.

Cérebros transparentes

O Nature Video revela como Karl Deisseroth e sua equipe criaram visualizações 3D de cérebro de camundongo usando CLARITY e marcação fluorescente.

Animação em 3D de um bulbo olfativo de camundongo

Profundidade de 1,5 mm.

Cortesia do Dr. Günter Giese e de Annemarie Scherbarth, MPI Heidelberg, Alemanha.

Geração de segundo harmônico (SHG)

Geração de segundo harmônico (SHG)

A geração de segundo harmônico (SHG) – também chamada de duplicação de frequência – é um processo óptico não linear que pode ser observado em meios sem simetria de inversão. Dois fótons com a mesma frequência interagindo com um material não linear são transformados em um que tem exatamente a metade do comprimento de onda da luz incidente. Em outras palavras, a energia e a frequência do fóton emitido são duplicadas em comparação com a que entra na amostra.

Aquisição de imagens de tecido profundo

Aquisição de imagens de tecido profundo

Broto uretérico de um rim embrionário com 16 dias de um camundongo HoxB7 EGFP.

Cortesia de Deborah Hyink, Mount Sinai School of Medicine, New York, NY, EUA

Excitação simultânea com OPO e Ti:Sa

Excitação simultânea com OPO e Ti:Sa

Glândula mamária (lado esquerdo) e baço (lado direito) de camundongo. Vasos sanguíneos marcados com 70kD-Texas Vermelho excitados com OPO a 1.150 nm (vermelho). A excitação simultânea a 800 nm resulta em sinal de geração de segundo harmônico (SHG) de colágeno tipo I (violeta) e autofluorescência de células únicas (verde).

Cortesia de Evelyne Beerling, Jacco van Rheenen, Instituto Hubrecht, Utrecht, Holanda

Rápida aquisição de séries z em animais vivos

Rápida aquisição de séries z em animais vivos

Reconstrução 3D de séries z representativas de 50 µm de aquisições de séries temporais. Excitação a 910 nm, desmistura espectral realizada utilizando o software LAS AF.

Esquerda: Micróglias marcadas com GFP (verde) são mostradas em relação aos vasos sanguíneos injetados com pontos quânticos de 655 nm (vermelhos) residentes no parênquima cerebral. Algumas micróglias tiveram processos envolvidos ao redor de vasos sanguíneos. Geração de segundo harmônico (SHG) do osso do crânio (azul).

Direita: Baço sete dias após contaminação por vírus de coriomeningite linfocítica (LCMV). Antiviral CD8-CFP (vermelho) e células T CD4-YFP (verde).

Cortesia de Debasis Nayak, Bernd Zinselmeyer e Dorian McGavern, National Institute of Neurological Disorders and Stroke, NIH, Bethesda, MD, EUA

Aquisição ultrarrápida de imagens de fluxos sanguíneos embrionários

Aquisição ultrarrápida de imagens de fluxos sanguíneos embrionários

Coração embrionário de peixe-zebra, profundidade de 100 µm. Células sanguíneas marcadas com DsRed (vermelho), SHG do músculo (cinza).

A série temporal à direita foi adquirida com o scanner ressonante a uma velocidade de 167 quadros/segundo com resolução de 512 x 64 pixels. Excitação multifotônica a 1.100 nm com OPO.

Cortesia de Julien Vermot, IGBMC, Strasbourg-Illkirch, França

Diafragma de camundongo

Diafragma de camundongo

Sinal de geração de segundo harmônico do músculo (vermelho), neurônios motores (verde).

Cortesia de Rüdiger Rudolf, Instituto de Toxicologia e Genética, Instituto Tecnológico Karlsruhe, Alemanha.

Fundamentos da microscopia multifotônica

Fundamentos da microscopia multifotônica

A probabilidade de excitação com um fóton (esquerda) linearmente depende da quantidade de fótons da fonte de luz. A excitação com dois fótons (direita) é proporcional ao quadrado da intensidade da fonte de luz e limitada à proximidade do plano focal.

Fundamentos da microscopia multifotônica

Fundamentos da microscopia multifotônica

Níveis de energia de um fluoróforo na excitação com um fóton (esquerda) e com dois fótons (direita). As cores correspondem aos comprimentos de onda absorvidos e emitidos.